Divina Comédia  2ºMural

32m² - Colégio Dante Alighieri - São Paulo - ano 2012

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Este mural dá sequência ao primeiro painel da Divina Comédia, pintado por ocasião do centenário do Colégio Dante Alighieri.

Ele também descreve a viagem imaginária do poeta Dante Alighieri, passando pelo Inferno, Purgatório e Paraíso.

As cenas à direita ilustram o baixo Inferno: no canto superior está representada a cidade de Dite, que, murada e guardada por mil demônios, separa o alto do baixo Inferno, local dos pecados mais graves. No portão da cidade, o poeta é impedido de entrar pelas Fúrias (Alecto, Megera e Tisífone) e pelos demônios, que desde logo o ameaçam. Do alto, porém, surge um anjo que, com sua luz, afasta os demônios e garante a entrada de Dante e Virgílio.

Logo abaixo, Dante aparece conversando com Ulisses, que se eleva em forma de chama. Na sequência, o poeta desce ao nono círculo auxiliado pelo gigante Anteu. Ali, se depara com um mar gelado, o Cocito, formado por todas as lágrimas choradas no Inferno. Mais acima, diagonalmente, irrompe o círculo dos suicidas, que, no Inferno, se transformam em árvore e têm seus brotos devorados por harpias. Aí transparecem, também, o círculo dos invejosos (com seus olhos costurados) e o dos luxuriosos (com suas desavenças à flor da pele).

Ao centro do painel, está retratado o Purgatório. Abaixo, recostado, nosso poeta adormece. Dante traz em sua testa sete letras “P”, que representam os sete pecados e foram marcadas pela espada do anjo guardião do Purgatório. Na jornada às esferas superiores, a cada círculo vencido, um “P” lhe é retirado, até ser finalmente aliviado dos pecados. Em seu sonho, Dante é conduzido por santa Luzia (protetora da visão), momento em que é depurado pelo fogo e coroado pelo anjo da purificação.

À esquerda, na parte inferior, vê-se representado o Paraíso Terrestre. Lá, o poeta está imerso nas águas do rio Euno, para ser, mais uma vez, purificado. Dante, em companhia das Virtudes Cardeais (Justiça, Prudência, Força e Temperança), assiste a um cortejo triunfal conduzido por um grifo (animal mítico, com corpo metade leão, metade águia). Essa cena compõe, na verdade, uma alegoria da Igreja Católica, com o grifo simbolizando o Cristo. O carro, como emblema da própria Igreja, traz quatro entalhes que representam os quatro evangelistas: Marcos (o leão) faz referência à realeza de Cristo; Lucas (o boi) evidencia-lhe a missão sacerdotal; João (a águia) determina-lhe a natureza divina; e Matheus (o anjo) indica-lhe a natureza humana. A mulher coberta por um véu não é outra senão Beatriz, que personifica a um só tempo a beleza e a pureza.

Diante do grifo, Dante arrepende-se de todos os erros. Nesse momento, Beatriz se lhe desvela aos olhos. Virtuoso, o poeta pode agora subir às instâncias celestiais. No alto, à esquerda, uma legião de anjos recebe Dante no Céu, e Beatriz revela ao poeta os nove círculos do Paraíso Celeste.

 

  

DSC_0125.jpg

Making Of

II_painel_divina_comedia_p.jpg

Voltar