Pessoas à Margem

Exposição Individual no Fórum Internacional dos Direitos Humanos no Tribunal Superior do

Trabalho, Brasília, DF  - 2004

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

Pessoas à Margem

Série que aborda temas sociais, principalmente os relacionados com a criança.

Quadros que chamam a atenção para fatos do dia a dia, que muitas vezes fazemos questão de ignorar, é meu desabafo e minha forma de contribuir para fim da desigualdade e da exclusão.

As cenas foram totalmente criadas tendo o real como ponto de partida. Somente em alguns casos como ponto de chegada.

Retratos que resgatam a dignidade do povo brasileiro., Nessas telas abordei temas relacionados a preconceito, trabalho infantil e abandono.

santoro_pb.jpg

 

Antonio Santoro Júnior

Prof. de Estética e História da Arte, Crítico de Arte – Museólogo – Curador

Na linguagem plástica tradicional, o traço, quando solicitado do interior do artista para expresser suas ideias, seja através do lapis, do pincel, ou do próprio gesto, esboça um diálogo de representação, documentação, alegoria ou simbologia com o espectador.

Esses diálogos serão efetivamente plásticos quando revelados pelo traço firme do artista…

Traço firme, bom traço, é uma qualidade plástica de Canato, perceptível em suas propostas, transparece como material, forma ou espírito, levando-mos a deveneios através de seus diálogos.

wanda_carneiro-620x826.jpg

Crônica de Arte para o Jornal de Piracicaba – 1999

O pintor Claudio Canato é um artista plástico paulistano com um magnífico acervo que o coloca entre os primeiros no gênero.

Nessa exposição sua pintura da fase renascentista é um festival de técnica, de cores, de luzes e de sombras e de formas que nos encanta.   

A trajetória estilística de Canato é prodigiosa, viajando por diferentes épocas e assuntos que fazem dele um pintor vigoroso e versátil, apaixonado pelo ser humano e pela vida com toda sua excentricidade.

Canato não pinta marinhas, nem tacho de cobre, nem natureza morta. Ele pinta gente. Pinta o ser humano em glória e esplendor na fase renascentista em pobreza e humildade na fase dos excluídos.

Nessa fase dos excluídos estão os meninos de rua - pobres, famélicos mas sorridentes e de olhos brilhantes. São pássaros de Deus que o artista captou em suas telas com toques de genialidade.

Na pintura de capelas brasileiras, Canato se supera a si mesmo na decoração de tetos e paredes numa riqueza de espiritualidade, numa perfeição de traços que embevecem os expectadores confirmando suas próprias palavras: "que a arte extrapola a religiosidade, pois ela em si já é religião".    

A Exposição de Canato é sem dúvida um grande momento de pintura, em qualquer tempo ou lugar, que merece ser apreciada e visitada. 

Wanda Carneiro

Escritora

MO_3.png

Premiações

mulher na janela_p.jpg

Voltar